2. Professores

2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais

Uma relação de apoio a longo prazo entre o professore e o aluno é essencial para melhorar o envolvimento e o desempenho deste. As relações positivas com os alunos também aumentam a satisfação profissional dos professores. Relações de confiança, de respeito e de cooperação entre professores e alunos, os pais destes e a comunidade em geral também influenciam a obtenção de resultados de aprendizagem positivos.

 

Mostrar mais

Recursos ( Pesquisar todos os recursos )

Note que por enquanto o conteúdo nas páginas de recursos só está disponível em inglês.

Action Antibullying (AAB)

The project partners designed and implemented a new anti-bullying programme in schools in five EU countries. It drew on the experiences of existing programmes and practices originated by the project partners working in different cultural contexts.  It provided further evidence of effective approaches to the reduction of bullying in schools that will inform the development of improved child centred, whole school strategies for adoption at European level.

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 1.3. Direção escolar; 1.4. Cooperação dentro dos sistemas educativos; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 3.4. Programas curriculares e percursos educativos; 3.10. Apoio seletivo: necessidades educativas especiais e dificuldades de aprendizagem; 5.4. Parcerias: organizações comunitárias e sociedade civil

Língua: EN

País: Eslovénia; Espanha; Itália; Reino Unido; Roménia

ATD QUART MONDE - MÓDULO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ATD Quart Monde é uma ONG francesa que trabalha com pessoas que se encontrem ou já se tenham encontrado numa situação de pobreza. Entre outras iniciativas, colabora com universidades populares (universités populaires) existentes em França, com o objetivo de gerar e recolher conhecimentos especializados, junto dos seus membros - participantes, sobre várias questões, nomeadamente a parentalidade e a perceção da escola.

Áreas: 2. Professores; 3. Apoio aos alunos

Subáreas: 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 2.3. Formação inicial de professores e desenvolvimento profissional contínuo de professores; 3.11. Apoio seletivo: origem em meios socioeconómicos desfavorecidos

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: França

Brave’s Club: Zero Violence from age zero

To improve the school climate, a group of schools from the Learning Communities project decided to create the Brave’s Club. It is based on a “dialogical model of conflict prevention”. Since the Club started in 2014, it has made progress in eradicating school violence in both primary and secondary schools. This strategy is making it easier to bring together effective evidence-informed practices on preventing violence in classrooms in general, and more specifically, gender violence.

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 4. Participação dos pais; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 3.1. Bem estar dos alunos; 3.2. Participação dos alunos na vida escolar; 4.2. Participação dos pais na governação da escola; 5.4. Parcerias: organizações comunitárias e sociedade civil

Língua: EN

País: Espanha

ENhancing Teacher REsilience in Europe (ENTREE)

O projeto ENhancing Teacher REsilience in Europe (ENTREE) (Reforçar a Resiliência dos Professores na Europa) visa permitir que os jovens professores europeus melhorem a sua resiliência face às crescentes exigências resultantes da rápida evolução dos contextos escolares. Lançado em 2014, oferece aos professores diversas oportunidades de aprendizagem e ferramentas, tanto em linha como presencialmente, contando com o apoio de uma equipa de peritos internacionais de cinco países europeus (CZ, DE, IRL, MT, PT) e da Austrália. O projeto ENTREE define a resiliência dos professores como «o processo, a capacidade e o resultado de uma adaptação positiva e de um empenhamento e crescimento profissionais contínuos face a circunstâncias difíceis». Os professores são apoiados na utilização de recursos pessoais, profissionais e sociais, para resistirem e progredirem do ponto de vista profissional e pessoal, sentirem satisfação no seu trabalho, alimentarem convicções positivas sobre as suas capacidades, gozarem de bem-estar pessoal e manterem um empenhamento constante na sua profissão.

Área: 2. Professores

Subáreas: 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 2.4. O bem-estar dos professores

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Dinamarca; Irlanda; Malta; Portugal; República Checa

Escola do ensino secundário superior de Beda

O presente exemplo descreve as abordagens inovadoras adotadas numa escola do ensino secundário superior da Suécia. A escola oferece uma série de programas direcionados para o desenvolvimento pessoal e a participação ativa dos alunos na sociedade. Além disso, procura prestar-lhes um apoio contínuo e reduzir o risco de abandono escolar, esforçando-se por diminuir o mais possível os períodos de encerramento e permanecer aberta durante algumas férias mais prolongadas. Conta também com uma vasta equipa de profissionais de saúde e com assistentes sociais e psicólogos disponíveis para atender às necessidades dos jovens.
Beda Hallberg, um estabelecimento do ensino secundário superior localizado em Kungsbacka, na Suécia, abriu portas em 2013 como uma pequena unidade centrada no aluno. Para alguns jovens adultos entre os 16 e os 20 anos, o ambiente físico e social de muitas escolas pode ser difícil e constituir um obstáculo à sua permanência no sistema educativo. A escola de Beda está aberta aos jovens que procuram uma escola pequena onde se possam sentir seguros e confortáveis.

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 3.2. Participação dos alunos na vida escolar; 3.3. Orientação profissional e apoio; 3.4. Programas curriculares e percursos educativos; 3.5. Aprendizagem e avaliação

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Suécia

Escolas Respeitadoras dos Direitos (RRS)

As Escolas Respeitadoras dos Direitos (RRS – Right Respecting Schools) são uma abordagem liderada pela Unicef-Reino Unido, que integra a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (CNUDC), como uma abordagem global da escola para a educação em matéria de direitos da criança. O objetivo global da abordagem consiste em criar uma cultura escolar participativa, inclusiva e segura, que garanta o respeito por todos os membros da comunidade escolar. O instrumento da Unicef de educação para os direitos da criança (CRE) proporciona orientações sobre como ser uma Escola Respeitadora dos Direitos. As escolas adaptam a abordagem RRS ao seu contexto. A abordagem influencia as relações entre cada interveniente no ambiente escolar e é aplicável a todos os contextos escolares. O quadro descrito no instrumento RRS tenciona fornecer um princípio organizativo central para toda a escola e, por extensão, para as famílias e a comunidade na qual a escola se insere. Existem três fases de desenvolvimento. A segunda e terceira fases (níveis 1 e 2) são semelhantes. O objetivo consiste em executar um plano de ação desenvolvido durante a fase Reconhecimento do Compromisso, a fim de cumprir as quatro normas da abordagem RRS: 1. Valores de respeito pelos direitos subjacentes à liderança e à gestão 2. Toda a comunidade escolar adquire conhecimentos sobre a CDC 3. A escola tem uma cultura respeitadora dos direitos 4. As crianças são capacitadas para se tornarem alunos e cidadãos ativos.

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 4. Participação dos pais; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 1.2. Planeamento e monitorização escolar; 1.3. Direção escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 2.4. O bem-estar dos professores; 3.1. Bem estar dos alunos; 3.2. Participação dos alunos na vida escolar; 4.1. Comunicação e informação; 4.3. Espaços para os pais e participação nas atividades educativas; 5.4. Parcerias: organizações comunitárias e sociedade civil

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Reino Unido

Escolas Secundárias Godalen e Thor Heyerdahl na Noruega

A fim de prevenir o abandono escolar, as escolas secundárias Godalen e Thor Heyerdahl na Noruega concentraram-se na melhoria e no reforço das estratégias de liderança das suas escolas. As escolas criaram uma série de medidas de apoio aos professores e aos jovens.

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.3. Direção escolar; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 3.3. Orientação profissional e apoio; 3.4. Programas curriculares e percursos educativos; 3.5. Aprendizagem e avaliação; 5.2. Redes de partes interessadas

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Noruega

Home School Community Liaison Scheme

«A experiência irlandesa demonstra claramente que as iniciativas de educação baseadas nas escolas podem elevar o nível educativo dos adultos envolvidos e infundem um sentimento geral de capacitação na comunidade local. A participação dos pais, sobretudo nas zonas socioeconomicamente desfavorecidas, não beneficia apenas as crianças e a escola: constitui um aspeto fundamental da aprendizagem ao longo da vida.» (Os pais como parceiros no ensino, OCDE 1997)

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 4. Participação dos pais; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.3. Direção escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 4.1. Comunicação e informação; 5.1. Equipas multidisciplinares

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Irlanda

Indicadores estruturais para o desenvolvimento de sistemas inclusivos no contexto escolar

O presente conjunto de indicadores estruturais para a promoção de sistemas inclusivos na escola e no meio envolvente pode ser utilizado pelos diretores dos estabelecimentos de ensino, professores, pais e outros parceiros para refletirem sobre o nível de inclusão existente nas suas escolas. Formulados como afirmações, de resposta afirmativa ou negativa («sim» ou «não»), os indicadores destinam-se a orientar o processo de autoavaliação dos agentes educativos em vários domínios pertinentes. Entende-se por inclusão escolar um ambiente favorável, com uma aprendizagem de qualidade, em que todos se sintam acolhidos e protegidos ao nível da escola e da sala de aula. Para que a inclusão se torne uma realidade há que prevenir a discriminação, responder de forma global às necessidades (emocionais, físicas, cognitivas e sociais) dos alunos e reconhecer os seus talentos e formas de expressão.

Os indicadores abrangem os seguintes domínios principais:

  1. Uma abordagem escolar integrada ao desenvolvimento de sistemas inclusivos
  2. A qualidade dos professores e dirigentes escolares
  3. A promoção da integração sistémica das políticas e práticas
  4. Uma tónica multidisciplinar na saúde e no bem-estar
  5. A promoção da participação dos pais e do apoio familiar e
  6. A satisfação das necessidades de pessoas e grupos particularmente vulneráveis

A seleção dos indicadores é baseada nos principais documentos de orientação do Conselho da UE e da Comissão Europeia nesta matéria, bem como em dados internacionais recentes sobre educação inclusiva.

A presente ferramenta faz parte do Relatório sobre os indicadores estruturais de sistemas inclusivos nas escolas e no meio envolvente (EN), em que cada indicador é contextualizado e explicado.

Autores:

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 4. Participação dos pais; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 1.3. Direção escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 3.1. Bem estar dos alunos; 3.2. Participação dos alunos na vida escolar; 3.7. Acompanhamento de alunos em situação de risco; 3.9. Apoio seletivo: migrantes, ciganos; 3.10. Apoio seletivo: necessidades educativas especiais e dificuldades de aprendizagem; 3.11. Apoio seletivo: origem em meios socioeconómicos desfavorecidos; 5.1. Equipas multidisciplinares; 5.2. Redes de partes interessadas

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Europa

IndY (Individualized Learning at the school centre Ybbs)

In the school year 2015/16 the Schulzentrum Ybbs (a school center consisting of three vocational upper secondary schools) introduced a concept called IndY, which involves that 20% of the teaching time is intended for individualized learning. IndY aims at improving students’ expertise, motivation, self-responsibility, self-management, collaborative skills, emotional intelligence and learning methods.

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 4. Participação dos pais; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 1.2. Planeamento e monitorização escolar; 1.3. Direção escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 3.1. Bem estar dos alunos; 3.2. Participação dos alunos na vida escolar; 3.4. Programas curriculares e percursos educativos; 3.5. Aprendizagem e avaliação; 3.6. Aprendizagem alargada e extracurricular; 3.8. Apoio seletivo: língua; 3.9. Apoio seletivo: migrantes, ciganos; 3.10. Apoio seletivo: necessidades educativas especiais e dificuldades de aprendizagem; 3.11. Apoio seletivo: origem em meios socioeconómicos desfavorecidos; 4.1. Comunicação e informação; 5.2. Redes de partes interessadas

Língua: EN

País: Áustria

Mostrar os resultados 10 seguintes