2. Professores

2.1. Aptidões e competências dos professores

O papel do docente torna-se cada vez mais vasto e exigente. Espera-se que os professores usem uma grande variedade de métodos, ferramentas e abordagens e que os adaptem às necessidades dos alunos. Precisam igualmente de possuir as competências e aptidões necessárias para criar um ambiente positivo na sala de aula e para trabalhar em colaboração com outras partes interessadas dentro e fora da escola, por forma a proporcionar apoio em tempo útil aos alunos.

 

Mostrar mais

Recursos ( Pesquisar todos os recursos )

Note que por enquanto o conteúdo nas páginas de recursos só está disponível em inglês.

ATD QUART MONDE - MÓDULO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ATD Quart Monde é uma ONG francesa que trabalha com pessoas que se encontrem ou já se tenham encontrado numa situação de pobreza. Entre outras iniciativas, colabora com universidades populares (universités populaires) existentes em França, com o objetivo de gerar e recolher conhecimentos especializados, junto dos seus membros - participantes, sobre várias questões, nomeadamente a parentalidade e a perceção da escola.

Áreas: 2. Professores; 3. Apoio aos alunos

Subáreas: 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 2.3. Formação inicial de professores e desenvolvimento profissional contínuo de professores; 3.11. Apoio seletivo: origem em meios socioeconómicos desfavorecidos

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: França

Ensino em equipa na Irlanda

Durante muitos anos, na Irlanda, tal como noutros países, o ensino em equipa foi uma abordagem relativamente pouco utilizada e bastante desvalorizada de apoio à aprendizagem. O Inquérito Internacional sobre Ensino e Aprendizagem da OCDE (TALIS, 2009), realizado em 24 países, indica que é na sala de aula que os professores do ensino secundário regular menos colaboram entre si sob a forma de ensino em equipa. A edição mais recente do TALIS (2013) destaca a importância desta forma de ensino para apoiar a aprendizagem dos professores e dos alunos, ao mesmo tempo que reconhece a sua adoção relativamente lenta em muitos contextos.

Área: 2. Professores

Subáreas: 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.3. Formação inicial de professores e desenvolvimento profissional contínuo de professores

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Irlanda

Escolas Respeitadoras dos Direitos (RRS)

As Escolas Respeitadoras dos Direitos (RRS – Right Respecting Schools) são uma abordagem liderada pela Unicef-Reino Unido, que integra a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança (CNUDC), como uma abordagem global da escola para a educação em matéria de direitos da criança. O objetivo global da abordagem consiste em criar uma cultura escolar participativa, inclusiva e segura, que garanta o respeito por todos os membros da comunidade escolar. O instrumento da Unicef de educação para os direitos da criança (CRE) proporciona orientações sobre como ser uma Escola Respeitadora dos Direitos. As escolas adaptam a abordagem RRS ao seu contexto. A abordagem influencia as relações entre cada interveniente no ambiente escolar e é aplicável a todos os contextos escolares. O quadro descrito no instrumento RRS tenciona fornecer um princípio organizativo central para toda a escola e, por extensão, para as famílias e a comunidade na qual a escola se insere. Existem três fases de desenvolvimento. A segunda e terceira fases (níveis 1 e 2) são semelhantes. O objetivo consiste em executar um plano de ação desenvolvido durante a fase Reconhecimento do Compromisso, a fim de cumprir as quatro normas da abordagem RRS: 1. Valores de respeito pelos direitos subjacentes à liderança e à gestão 2. Toda a comunidade escolar adquire conhecimentos sobre a CDC 3. A escola tem uma cultura respeitadora dos direitos 4. As crianças são capacitadas para se tornarem alunos e cidadãos ativos.

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 4. Participação dos pais; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 1.2. Planeamento e monitorização escolar; 1.3. Direção escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 2.4. O bem-estar dos professores; 3.1. Bem estar dos alunos; 3.2. Participação dos alunos na vida escolar; 4.1. Comunicação e informação; 4.3. Espaços para os pais e participação nas atividades educativas; 5.4. Parcerias: organizações comunitárias e sociedade civil

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Reino Unido

Essunga Municipality Schools

Essunga, a Swedish municipality, transformed the ranking of its schools from the bottom to the top of the national school league tables between 2007 to the top in 2010. Essunga has three elementary schools and one lower secondary school (grades 6-9). With 5,500 citizens, it is one of the smallest municipalities in the country. The increase in levels of achievement is attributed to a research-based approach of inclusive education. For years, the three elementary schools in Essunga had consistently experienced low educational levels. An increasing number of students were refugees or in “family placements”. In 2007, only 76% of students were eligible for upper secondary school and 20% of these were placed in special education classes. These results compelled political and school leaders and school staff to identify targeted measures to address these challenges. The municipality focused on interventions at school and in the local community to prevent school absence and increase attendance.

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 1.3. Direção escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 3.5. Aprendizagem e avaliação; 3.7. Acompanhamento de alunos em situação de risco; 3.10. Apoio seletivo: necessidades educativas especiais e dificuldades de aprendizagem

Língua: EN

País: Suécia

GRUPOS INTERATIVOS DO INCLUD-ED

Os Grupos Interativos constituem uma das Ações Educativas de Sucesso (AES) identificadas no projeto de investigação INCLUD-ED. O projeto analisou as estratégias educativas que contribuem para superar as desigualdades e promover a coesão social, bem como as que conduzem à exclusão social, com especial incidência em grupos vulneráveis e marginalizados. Os Grupos Interativos são utilizados para melhorar a educação de crianças e jovens em diferentes contextos. Consistem no agrupamento de alunos numa turma em pequenos grupos heterogéneos, cada um dos quais apoiado por um adulto. Cada um destes grupos é organizado em redor de quatro ou cinco alunos, de forma heterogénea em termos de capacidade, sexo, cultura, língua e etnia. Este exemplo permite compreender os Grupos Interativos e os resultados da sua prática.

Áreas: 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 4. Participação dos pais

Subáreas: 2.1. Aptidões e competências dos professores; 3.5. Aprendizagem e avaliação; 3.9. Apoio seletivo: migrantes, ciganos; 3.10. Apoio seletivo: necessidades educativas especiais e dificuldades de aprendizagem; 4.3. Espaços para os pais e participação nas atividades educativas

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Albânia; Alemanha; Bulgária; Bélgica; Chipre; Croácia; Dinamarca; Eslováquia; Eslovénia; Espanha; Estónia; Finlândia; França; Grécia; Hungria; Irlanda; Islândia; Itália; Letónia; Lituânia; Luxemburgo; Macedónia do Norte; Malta; Noruega; Países Baixos; Polónia; Portugal; Reino Unido; República Checa; Roménia; Suécia; Sérvia; Turquia; Áustria

Home School Community Liaison Scheme

«A experiência irlandesa demonstra claramente que as iniciativas de educação baseadas nas escolas podem elevar o nível educativo dos adultos envolvidos e infundem um sentimento geral de capacitação na comunidade local. A participação dos pais, sobretudo nas zonas socioeconomicamente desfavorecidas, não beneficia apenas as crianças e a escola: constitui um aspeto fundamental da aprendizagem ao longo da vida.» (Os pais como parceiros no ensino, OCDE 1997)

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 4. Participação dos pais; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.3. Direção escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 4.1. Comunicação e informação; 5.1. Equipas multidisciplinares

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Irlanda

Indicadores estruturais para o desenvolvimento de sistemas inclusivos no contexto escolar

O presente conjunto de indicadores estruturais para a promoção de sistemas inclusivos na escola e no meio envolvente pode ser utilizado pelos diretores dos estabelecimentos de ensino, professores, pais e outros parceiros para refletirem sobre o nível de inclusão existente nas suas escolas. Formulados como afirmações, de resposta afirmativa ou negativa («sim» ou «não»), os indicadores destinam-se a orientar o processo de autoavaliação dos agentes educativos em vários domínios pertinentes. Entende-se por inclusão escolar um ambiente favorável, com uma aprendizagem de qualidade, em que todos se sintam acolhidos e protegidos ao nível da escola e da sala de aula. Para que a inclusão se torne uma realidade há que prevenir a discriminação, responder de forma global às necessidades (emocionais, físicas, cognitivas e sociais) dos alunos e reconhecer os seus talentos e formas de expressão.

Os indicadores abrangem os seguintes domínios principais:

  1. Uma abordagem escolar integrada ao desenvolvimento de sistemas inclusivos
  2. A qualidade dos professores e dirigentes escolares
  3. A promoção da integração sistémica das políticas e práticas
  4. Uma tónica multidisciplinar na saúde e no bem-estar
  5. A promoção da participação dos pais e do apoio familiar e
  6. A satisfação das necessidades de pessoas e grupos particularmente vulneráveis

A seleção dos indicadores é baseada nos principais documentos de orientação do Conselho da UE e da Comissão Europeia nesta matéria, bem como em dados internacionais recentes sobre educação inclusiva.

A presente ferramenta faz parte do Relatório sobre os indicadores estruturais de sistemas inclusivos nas escolas e no meio envolvente (EN), em que cada indicador é contextualizado e explicado.

Autores:

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 4. Participação dos pais; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 1.3. Direção escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 3.1. Bem estar dos alunos; 3.2. Participação dos alunos na vida escolar; 3.7. Acompanhamento de alunos em situação de risco; 3.9. Apoio seletivo: migrantes, ciganos; 3.10. Apoio seletivo: necessidades educativas especiais e dificuldades de aprendizagem; 3.11. Apoio seletivo: origem em meios socioeconómicos desfavorecidos; 5.1. Equipas multidisciplinares; 5.2. Redes de partes interessadas

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Europa

IndY (Individualized Learning at the school centre Ybbs)

In the school year 2015/16 the Schulzentrum Ybbs (a school center consisting of three vocational upper secondary schools) introduced a concept called IndY, which involves that 20% of the teaching time is intended for individualized learning. IndY aims at improving students’ expertise, motivation, self-responsibility, self-management, collaborative skills, emotional intelligence and learning methods.

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 4. Participação dos pais; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 1.2. Planeamento e monitorização escolar; 1.3. Direção escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 3.1. Bem estar dos alunos; 3.2. Participação dos alunos na vida escolar; 3.4. Programas curriculares e percursos educativos; 3.5. Aprendizagem e avaliação; 3.6. Aprendizagem alargada e extracurricular; 3.8. Apoio seletivo: língua; 3.9. Apoio seletivo: migrantes, ciganos; 3.10. Apoio seletivo: necessidades educativas especiais e dificuldades de aprendizagem; 3.11. Apoio seletivo: origem em meios socioeconómicos desfavorecidos; 4.1. Comunicação e informação; 5.2. Redes de partes interessadas

Língua: EN

País: Áustria

InnoOmnia

InnoOmnia, in the city of Espoo, Finland, was founded in 2011. It is the first multi-sector vocational education centre in Finland where entrepreneurs may run their businesses jointly with students and teachers. Work and vocational education are part of a blended learning approach. One of the key aims of the programme is to improve the appeal of vocational education, and to offer “21st century learning” opportunities.
Services include:
1. Entrepreneurship support for current and aspiring entrepreneurs, primarily in arts and crafts or the service sectors.
2. Work-based/on-the-job learning programmes
3. Innovation and piloting of new teaching methods in the context of vocational education, g, e.g. gamification, mobile learning, entrepreneurial teaching methods
4. Teacher and school leader professional development for K-12 and vocational sectors

Áreas: 1. Governação escolar; 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 1.1. Cultura e clima escolar; 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.2. Os professores e o seu relacionamento com alunos e pais; 3.2. Participação dos alunos na vida escolar; 3.3. Orientação profissional e apoio; 3.4. Programas curriculares e percursos educativos; 3.6. Aprendizagem alargada e extracurricular

Língua: EN

País: Finlândia

JOPO – EDUCAÇÃO BÁSICA FLEXÍVEL

A Finlândia tem vindo a desenvolver métodos de ensino inovadores e procedimentos de resposta às necessidades individuais com recurso à aprendizagem baseada nas necessidades, ao ensino de grupos de pequena dimensão, à aprendizagem no local de trabalho e a diferentes contextos de aprendizagem para reduzir o abandono escolar.

Áreas: 2. Professores; 3. Apoio aos alunos; 5. Participação das partes interessadas

Subáreas: 2.1. Aptidões e competências dos professores; 2.3. Formação inicial de professores e desenvolvimento profissional contínuo de professores; 3.4. Programas curriculares e percursos educativos; 3.6. Aprendizagem alargada e extracurricular; 3.10. Apoio seletivo: necessidades educativas especiais e dificuldades de aprendizagem; 5.1. Equipas multidisciplinares; 5.3. Parcerias: empregadores e empresas; 5.4. Parcerias: organizações comunitárias e sociedade civil

Língua: BG; CZ; DA; DE; EL; EN; ES; ET; FI; FR; HR; HU; IT; LT; LV; MT; NL; PL; PT; RO; SK; SL; SV

País: Finlândia

Mostrar os resultados 10 seguintes