Escolas ecológicas para um futuro melhor

Image: Leo Rivas / Unsplash.com

A civilização moderna já está a começar a desgastar o nosso planeta. Damos importância ao ambiente e aos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU – mas como praticamos aquilo que pregamos? Eis um tópico que os professores não devem hesitar aprender juntamente com os seus alunos.

Para estimar a probabilidade de vida inteligente na galáxia, a equação de Drake usa a longevidade de uma civilização técnica como um dos seus parâmetros. Como Carl Sagan afirmou, “As civilizações demorar milhares de milhões de anos de evolução tortuosa a surgir e extinguir-se depois num instante de negligência imperdoável”

Existem muitas abordagens que os professores e as escolas podem adotar para explorar esta questão com os seus alunos. Eis três projetos inspiradores:

Ecological, what else?

Que quantidade de água e energia consomem os professores e os alunos? O lixo pode ser separado ou, melhor ainda, evitado? A sua escola oferece desportos e refeições ecologicamente sustentáveis em número suficiente? Estas não são apenas questões teóricas, pelo menos não o são para o projeto Ecological, what else? Sustainable schools on the fast lane in Europe (Ecológico, que outra coisa podia ser? Escolas sustentáveis na via rápida na Europa).

Através de oficinas e oportunidades de mobilidade, as escolas parceiras esforçaram-se por melhorar as suas condições e tornar-se potencialmente escolas com a certificação ÖKOLOG. Situando-se em diferentes partes da Europa, foram capazes de se inspirar nos diferentes padrões e práticas dos colegas em matéria de ecologia. As escolas parceiras elaboraram fichas de trabalho, medidas, testes e questionários sobre muitos tópicos, como, por exemplo, a gestão dos resíduos. Produziram também em conjunto um livro de receitas, e, para analisar a necessidade e o potencial dos alunos para a prática desportiva, realizaram uma série de entrevistas:

Além de ser sustentável em termos da sua orientação, a parceria também foi sustentável por natureza: reutilizou conclusões de programas nacionais anteriores e transmitiu os seus próprios resultados.

Ecological, what else? foi uma parceria estratégica Erasmus + entre 6 países: Áustria, República Checa, Itália, Portugal, Eslováquia e Turquia. Decorreu entre 2014 e 2016 e foi designado como uma história de sucesso e um exemplo de boas práticas.

No caminho para o desenvolvimento sustentável

De acordo com o Programa de Ação Global da UNESCO, a sustentabilidade não deve ser apenas uma caixa para marcar no currículo escolar. Deve permear toda a cultura escolar – os seus valores, atividades e políticas. Foi esse também o objetivo do projeto ECORoad, cujo título completo reza assim: “Melhorar a educação para o desenvolvimento sustentável através do desenvolvimento da cultura escolar”.

O projeto organizou cinco encontros internacionais e quatro sessões de formação. Produziu, designadamente, a brochura Um Roteiro para uma escola ESD, que contém exemplos de atividades de desenvolvimento aplicadas nas escolas parceiras, estruturadas em torno do modelo de quatro dimensões-chave de Schoen:

  • orientação profissional;
  • estrutura organizacional;
  • ensino e aprendizagem;
  • foco centrado no aluno.

Uma comparação entre inquéritos anteriores e posteriores do projeto indica que, no fim, o pessoal e os alunos tinham uma maior consciência do desenvolvimento sustentável. Por exemplo, um professor disse: “Os grupos de participação são uma boa maneira de ensinar aos alunos um sentido de responsabilidade”, como “ser responsável por alimentar o peixe.”

ECORoad foi uma parceria estratégica Erasmus+ entre quatro países: Bélgica, Islândia, Finlândia e Reino Unido. Decorreu entre 2016 a 2018 e foi designado como um exemplo de boas práticas.

Seis ONG ornitológicas, milhares de salas de aula

A educação na natureza traz muitos benefícios: estabelece o cenário para o bem-estar pessoal, promete um futuro mais sustentável para as comunidades e desenvolve competências que ajudarão as crianças noutras áreas de aprendizagem. E, no entanto, não é uma parte significativa na educação na primeira infância e no ensino primário. O projeto Empowering teachers and pupils for a better life through nature (Capacitar os professores e os alunos para uma vida melhor através da natureza) procura retificar este problema produzindo materiais de apoio de alta qualidade, organizando sessões de formação e construindo redes a nível nacional e europeu. Dirigiu-se a professores de áreas rurais e pequenas cidades: 60 deles participaram nas sessões de formação, 342 participaram nos eventos e mais de 2360 foram abrangidos por outros meios.

Os recursos educativos estão disponíveis em todas as línguas dos parceiros, em formato descarregável e numa aplicação: através deles, os alunos podem aprender sobre a migração das aves, rotas de voo, medidas de conservação, biodiversidade e muito mais.

Bird nests

O canal do YouTube do projeto principal, Spring Alive, também contém muitos tutoriais em vídeo filmados no local.

O projeto foi uma parceria estratégica Erasmus + entre seis países: República Checa, Irlanda, Macedónia do Norte, Polónia, Eslováquia e Espanha. Decorreu entre 2016 e 2018 e foi designado como um exemplo de boas práticas.

Para explorar projetos anteriores e em curso sobre educação escolar e financiados pela UE, visite a Plataforma de Resultados dos Projetos Erasmus+.
Temas: